agosto 31, 2005

Alegre internado

O conhecido republicano Manuel Alegre ter-se-á sentido indisposto após uma maratona de jantares de reflexão com amigos e apoiantes, subordinados a diferentes temas da actualidade política, onde Alegre teve a oportunidade de dizer tudo o que tinha a dizer sobre Cavaco subverte-me a república, Soares já foi o dono da república, mas já não os há porque agora é a minha vez, o PS aborrece-me e à minha república e república, república, quando é que vamos embora que eu já estou farto destes jantares, respectivamente.
Várias horas e pratos depois, deu-se o incidente, quando Alegre terá dito "ouve lá, ò camarada, tu não és o dono dessa perna de borrego", sendo acometido de uma súbita tontura que alguns presentes descreveram como uma espécie de epifania, enquanto outros acharam tratar-se apenas de um princípio de indigestão. Alegre abandonou então a sala debaixo de uma salva de palmas, acenando e afirmando que ainda se sentia capaz de comer a república toda, se preciso fosse.
Helena Roseta, que por essa altura, num gesto de poético arrebatamento republicano, tinha acabado de se barrar com chantilly, foi aconselhada por amigos presentes a não acompanhar Alegre ao hospital e a visitá-lo só no dia seguinte e fora da hora das refeições.
Logo que Alegre se sinta melhor, já está agendado um novo repasto de desagravo. Não há nada que hospitalize a república, será o lema. Mas, pelo sim pelo não, com sais de frutos.